FINANCIAMENTO COLETIVO

VENHA FAZER PARTE DAQUELES E DAQUELAS QUE JÁ CONTRIBUÍRAM PARA A REALIZAÇÃO DA EDIÇÃO BRASIL DO FESTIVAL SANS SOUCI!

 

 

Em 2022 estamos na nossa 3ª edição brasileira do Festival Sans Souci, um festival internacional de videodança que possui mais de 20 anos de história com sede em Boulder, Colorado - EUA.

 

Você, contribuindo para está edição, estará incentivando/cooperando/contribuindo principalmente para:

a internacionalização do setor cultural brasileiro;
a apreciação de videodanças, assim como para a produção artística nesta área;
a manutenção de uma parceria com um festival de quase 20 anos de história.

 

A edição de 2022 ocorrerá na cidade de Campinas, de 21 a 27 de novembro.

 

3ª EDIÇÃO BRASIL

O planejamento do festival já esta a todo vapor!

Além de toda a produção do grupo Dançaberta para o festival ocorrer em novembro, a 3a edição brasil do Sans Souci já realizou este ano:

O Pré - Festival foi uma circulação com Mostra de Videodança direcionada para as Escolas e Instituições Públicas de Dança, que ocorreu nos meses de abril e junho, por 04 cidades interioranas: Araraquara, Araçatuba, Cubatão e Taubaté.

Esta ação promoveu um diálogo com estudantes e profissionais das escolas municipais de dança, a fim de fomentar as produções locais em videodança e suas possíveis participações no festival em Campinas.

 

A abertura de inscrições gratuitas para videodanças brasileiras e/ou que tenham alguma relação com o Brasil ocorreu em Março desse ano e foram 168 filmes inscritos para esta edição e a curadoria já foi feita!

Você pode consultar a lista das videodanças selecionadas aqui e elas serão divididas em 4 mostras durante o festival em novembro: duas mostras regulares, uma mostra direcionada para o público infanto-juvenil e a mostra “6 Brasis”. A “6 Brasis” é inspirada nos biomas brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal), das 5 regiões do nosso país, e os aspectos pertinentes a cada uma. Das florestas à exploração predatória, de seus rios às áreas secas, de suas montanhas à ilegalidade corrosiva.

 

A 3ª edição Brasil do Festival Sans Souci Brasil será uma semana com exibições de filmes, residência, oficinas, palestras e performances. Contará com uma programação híbrida, com foco em atividades presenciais e outras com transmissão e interações online. Nesta edição trazemos o tema Transição e Transgressão na Videodança: da Poética a Indispensabilidade, que estará presente no debate e nos encontros durante toda a semana do festival.

 

 

FONTES DE FINANCIAMENTO

O Festival Sans Souci 3ª edição Brasil é premiado com o edital estadual PROAC 34/ 2021, que faz parte do Programa de Ação Cultural PROAC Editais da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo. O projeto é desenvolvido em sua maior parte por meio deste edital e nós estamos com a arrecação no Catarse.me, um meio de você contribuir nesta edição com o valor a compor uma parcela do orçamento.

Por meio dela nós poderemos desenvolver com margem segura o festival e você poderá adquirir nossos produtos, estar presente em nossas redes sociais e contribuir para a internacionalização da arte brasileira.

Ao longo da 1ª e 2ª edição:

Tiveram mais de 200 trabalhos inscritos;

Foram exibidas 57 videodanças, dentre elas 38 nacionais, abrangendo as 5 regiões do país, e 19 internacionais, compreendendo 11 países (Brasil, França, Romênia, Bélgica, Israel, China, Canadá, EUA, Suécia, Holanda e Reino Unido);

29 artistas, produtores e pesquisadores ministraram mesas, palestras e ações formativas;

Obteve-se um alcance de mais de 4.000 espectadores, numa abrangência de públicos diversificada, dentre estudantes e docentes universitários, pesquisadores, artistas da dança e do audiovisual (bailarinos, coreógrafos, diretores, roteiristas, videomakers, produtores, etc), arte-educadores, ademais do público de apreciadores do cinema e da dança em 17 países ao redor do globo.

O Sans Souci Brasil contribui para a difusão e acesso da videodança no país, tanto nos setores da produção quanto no engajamento de espectadores desta linguagem, para além de impulsionar trabalhos nacionais a uma visibilidade internacional.